sábado, 22 de novembro de 2008

Alquimia

Da varanda de casa eu sentia o cheiro. Temperos diferentes, ervas, caldos... O chiado das panelas sobre o fogão avisava: mamãe estava na cozinha. Encantada com a possibilidade de ajudar e assim entrar no mundo dos adultos, mesmo que com a permissão exclusiva para fazer as tarefas menores (nada de facas, objetos pontiagudos, latas, vidros...), eu me postava à porta, observando o movimento das colheres, assadeiras, travessas... Pra mim, aquele mundo morno e levemente açucarado era quase mágico. Como se o cheiro que saía das panelas e penetrava em minhas pequenas narinas fosse capaz de operar milagres. Sempre havia algo na cozinha para curar o que eu sentia: uma sopinha morna para os dias de febre ou uma gemada batida vigorosamente pelas mãos ágeis de mamãe para quando o corpo estivesse fraco (e quantas vezes fingi uma fraqueza e prostração imensas só pra ganhar aquela gemada com algumas preciosas gotas de vinho...). A cozinha pra mim era um território de descobertas. Imaginava aquelas colheres de pau, panelas, armários, potes, vasilhas ganhando vida para compor uma melodia absolutamente harmônica... E fantasiava com uma cozinha só minha, onde vidros, facas e tesouras fossem permitidos, onde o cheiro que saía das panelas não tivesse nada a ver com dobradinha ou cozido, e as crianças comessem junto com os adultos. (pois é, sou do tempo em que as crianças comiam primeiro...)
E enquanto minha mãe cortava e temperava nossas refeições eu, da porta da cozinha, sentada em meio a panelinhas de plástico e sonho, vivia a expectativa infantil e preciosa de crescer depressa e aprender também aquela alquimia, que transformava alimentos em pequenas porções de amor.

5 comentários:

Iêda disse...

Lindo!!

Eu também adorava as gemadas. Bom tempo a infância!
Gostava também de ajudar a fazer bolo, só para lamber a vasilha depois. (especialmente se fosse chocolate) ;-)

um ótimo fim de semana para você!

Mineira disse...

Viagei no tempo... coisa boa!

Também ganhava gemadas preparadas por mamãe... hoje, fiquei chata, nojenta e não me desse nem a idéia da mistura de ovo, leite e acúcar. Penso e torço o nariz... fiquei besta, acho eu... hahahaaa...

Dobradinha também não desce...

See you...

...

BS disse...

Vixe, gosteei do blog, mesmo! fui bem tratado, tudo bem limpinho, sem melancolia e desgosto pela vida peculiar a alguns blogs . beijo. me fez bem , vou toma-lo mais vezes ..
meu Blog ae :
www.bsproducao.blogspot.com

Alcilene cavalcante disse...

Lilian, adoro essas suas crônicas. Eu experimentava sentmentos parecidos.

Gian Danton/Ivan Carlo disse...

É o tipo de texto que eu gosto. Uma crônica sensível... muito bom. gemada agora, acho que não vai ter mais, com esse medo da salmonela...

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.