quarta-feira, 4 de dezembro de 2013

Nostalgia















Olho as fotos de longa data
e meu coração sorri.

Reconheço os olhos hoje mais turvos
e o semblante mais crispado
do homem que ainda acalento em meu colo
mesmo com a cabeça já quase branca.
Porque amo
todo dia
como se fosse ontem.

Quem ama
não vê o tempo passar.


sábado, 9 de novembro de 2013

Triste companhia















Triste companhia
música
vinho
e um amor imenso
que não pode mais ser.

Caminho sobre os cacos afiados
da  promessa que se partiu.

Não choro mais.

quarta-feira, 16 de outubro de 2013

História




Eu brinco com o que não devia
esperando clarear os dias
as ideias
os silêncios.
Brinco com as palavras
e as nossas imagens
aquelas que eu guardei em mim
e as que nunca vou ouvir
ou ver.
Meus planos
e as muitas horas
enlouquecidas de amor
que viraram mais que lembranças
cicatrizes coloridas
de uma história que me atrevi a viver.
Não me arrependo.


quinta-feira, 19 de setembro de 2013

Solidão














Tomo um café
sozinha
lembrando
o toque
agora frio
das mãos que já descobriram
entre febres e tremores
meus recantos mais secretos.
Hoje eu percebo
entristecida
que as fotos amareladas
mostram alguém que já não está
Ainda que esteja.
Solidão é mais que a ausência.
E dói.

sábado, 24 de agosto de 2013

Tempo














Marco as horas no relógio dourado
enquanto espero
pelo momento oportuno.
A pergunta ansiosa
reverbera nos meus ouvidos

Mais tarde,
quem sabe...

O amor é lindo quando anoitece.

quinta-feira, 15 de agosto de 2013

Escrevo
















Escrevo para que não me esqueças
ou para que eu não esqueça
de mim mesma
depois de tanto silêncio.
Escrevo para que me guardes
nas noites que não estou
e me aconchegues
no abraço conhecido
quando eu chegar.
Escrevo para que me preserves
em ti e em tuas lembranças
até que eu seja mais
que a saudade
quando eu calar novamente.
Escrevo porque te amo
mas não sei se posso
dizer.
Te amo.


quarta-feira, 26 de junho de 2013

Solitaire

















Não descuide do meu amor
ainda que não te pareça
fácil
Que ele não curará teus males
mas segue sempre iluminando
teus caminhos.
Não descuide do meu amor
meu amor
hoje turbulento
mas sempre
dedicado.

Cuide.

segunda-feira, 24 de junho de 2013

Inverno




















Ainda tenho na boca
teu gosto
que guardei pra esses dias
de ausência
de ti
em mim.
Esse inverno
a que me obrigas
e eu
obediente
me curvo.

Sinto muito
tua falta.


(Foto Alberto Cassani)

quinta-feira, 20 de junho de 2013

Amanhã

















Anjo que nunca fui
me chamas
como se acreditasses
que toda distância
toda palavra
repousará
finita
no abraço que nos aguarda.
Amanhã.


(Foto: Nick Dolding)


sábado, 1 de junho de 2013

Raiva


A raiva cultivada ao longo dos anos
brota
de repente
flor exuberante
no jardim murcho e seco
dos planos que nunca fiz.
Cansada do parto difícil
eu choro.
Amanhã é outro dia.


sábado, 18 de maio de 2013

Sunrise














Não entendo bem
o silêncio dos teus lábios.
Silêncio
tem som
de nunca mais.

Ainda é muito cedo.

quinta-feira, 9 de maio de 2013

Amor adormecido















O amor adormecido desperta
exigente
Querendo que eu me revele
e abrace sem medo
esse frio que percorre meu corpo
e procure
insistente
uma maneira de voltar a ser
quem já fui
mas tinha esquecido.

Eu penso.

terça-feira, 7 de maio de 2013

Saudade
















Saudade
velha companheira
que me tira os saltos altos
e aquece meus pés
cansados
com a intimidade de quem sabe
de cor
todos os meus motivos
e me perdoa
bondosa
pelo que não consigo
deixar pra trás.

terça-feira, 30 de abril de 2013

Feliz demais!

Vim dividir com vocês um pouco da minha felicidade: fui premiada no V Prêmio Literário Canon de Poesia 2012. O resultado saiu no fim do mês passado, e hoje eu recebi os exemplares. 
Foram aproximadamente 3000 inscritos, segundo o site da Canon, e apenas 50 trabalhos foram selecionados, dentre os quais estava o desta orgulhosíssima redatora que não cabe em si de tanta felicidade.


A poesia selecionada foi esta:


No álbum de capa azul
revejo a vida
colorida
dos dias que não vivi
Repousa na mão enrugada
o sonho de entortar o calendário
entrar no vestido rodado
dançar uma única valsa
e voltar
resignada e incompleta
à vida que me restou.
Eu sonho.




quinta-feira, 25 de abril de 2013

Bilhete














Cutucas o meu silêncio
com tua palavra saudosa.
Apago teus rastros em mim
mais uma vez
mas não esqueço
nunca
teu cheiro bom.

A vida me faz sorrir
quando dá voltas.

segunda-feira, 1 de abril de 2013

Névoa
















A névoa da incerteza
impede meus passos rápidos.
Não vejo nada além
do amor que sinto
e tropeço
confusa
no caminho que não enxergo.
Meus pés já foram firmes
mas eu não te conhecia.

Amar não é seguro
mas me basta.

Por enquanto.

sábado, 30 de março de 2013

Contemplação
















Não consigo mais
ter pressa
de me perder
nas tuas palavras
nem de prender
em meus versos
a ânsia do teu olhar.

O amor que murcha
não alimenta os dias nublados.

E se faz sol
eu não gosto.

sábado, 9 de março de 2013

Despedida II















As lacunas do silêncio magoado
enchem de espaços vazios
a noite que não acaba nunca.
O amor prestes a morrer
de inanição
cava a própria cova.

É amargo o sabor
da despedida.

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

Asas















Eu penso em deixar
as lembranças mais doces
e partir,
liberta ainda que triste
procurando novas paisagens.
Eu penso em chorar
mas seco as lágrimas
austera
enquanto avalio os caminhos possíveis.
Minhas asas pesam
pela falta de uso
mas eu ainda sei voar.

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

Saudade tem outro nome















O amor soluçado
rompe o silêncio da noite fria.

A solidão é aconchegante
mas não preenche o vazio
da tua ausência.
Saudade tem outro nome
mas eu prefiro
chamar por ti.

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

Dezessete


















A aliança que eu não escolhi
guarda muito mais
que o amarelo brilho de uma festa particular.
É baú de mil lembranças
costuradas em dezessete anos
de um amor que transcende
minha capacidade de compreender.
Sou só coração.

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2013

Morte















Penso na morte
com uma dose de impaciência.
Vejo pessoas queridas
atravessarem o portal
e espero,
inquieta,
a hora das pessoas incômodas.
Não quero mais aprender
com os que não pensam como eu.
Demora.

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

Lembrança











Nunca esqueço
daqueles olhos escuros
que prometiam me matar de amor.

Morrer tem seu tempo.
Não era hora.

terça-feira, 5 de fevereiro de 2013

Ciúme



















Meu ciúme traveste-se de indiferença
e eu finjo não me incomodar.
É mentira.
Meu sangue ferve
em silêncio
enquanto eu sorrio
desencantada
com este amor pequeno
e incompleto
que faço de conta que aceito
mas dobro, calada,
e guardo na gavetinha verde
pra usar em doses homeopáticas
tentando fazer durar.

Tem pouco.

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013

Dúvida















A dúvida espremida
no papelzinho amassado
pesava no bolso.
Ainda me amas?

Sorri.

Nem nunca.

quinta-feira, 10 de janeiro de 2013

Dentro do armário















Meu monstro dentro do armário
olha desconfiado
minhas atitudes sãs.
Em desespero
arranha a porta
rompe as barreiras
e me sequestra
alarmado
antes que a lucidez me domine.
Perdida nos braços dele
não consigo abrir a porta.
Continuo aqui.
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.