segunda-feira, 1 de dezembro de 2008

O Fora

A primeira vez que levou um fora já estava na faculdade. Adolescente bonita, saia sempre a deixar musculosas coxas à mostra, atraía olhares por onde passava. Não tinha pudores de se valer dos dotes físicos (leia-se coxas duramente esculpidas no leg press, abdome tipo tanquinho, bronzeado sempre em dia, boca carnuda e cabelos curtos sempre meio despenteados, o que também lhe dava um ar meio rebelde) para conseguir o que queria.
Dessa vez encantou-se por um amigo do seu pai, professor de matemática financeira, ar sério mas, ela pensava, certamente guardava um selvagem dentro de si, já arquitetando um plano para ficar a sós com ele. Porque todo cara com essa carinha de bom moço esconde um selvagem prestes a morrer de claustrofobia, precisando desesperadamente de alguém que o liberte.
Já antevendo os momentos ardentes que passariam em alguma sala vazia depois do horário das aulas, começou a colocar seu plano em prática. Todo dia era um tal de cruzar as pernas na frente dele, abaixar-se na mesa dele com o pretexto de tirar dúvidas (que nunca existiram), mas deixando que ele visse o início dos seus seios enquanto balbuciava uma explicação. Ah, glória... Era só uma questão de tempo. Uma quarta-feira antes do fim do semestre encontrou-o sozinho no estacionamento da faculdade. O coração disparou. Ele abriu o carro, ela entrou. Ele, estupefato. Ela, confiante. “O que aconteceu, Luíza?” “Você sabe, eu quero você. Quero muito. E sei que você também me quer”. Era isso. Tudo ou nada.
Ele sorriu, cândido. Ela desarmou-se, pasma. “O que foi? Você não me quer?” Segurando o sorriso para não ofendê-la ele respondeu: “Eu sou casado, você sabe” “Não tenho ciúmes” ela retrucou, tentando recuperar a confiança.
“Você não, mas meu marido tem” ele respondeu, antes de abrir a porta do carro para ela sair. Ofendidíssima. A primeira vez que ela levou um fora. Pelo menos não tinha sido por sua causa, pensou, já caminhando de volta para a faculdade para falar com o professor de Lingüística. Aquele sim, um selvagem...

3 comentários:

Gian Danton/Ivan Carlo disse...

Muito bom! Taí, vc também sabe escrever crônicas!

Iêda disse...

Ah, adorei! Ótimo final...

bjs

Patrícia Lage disse...

hehehe...
Muito bom!
Tua escrita é ótima, torna-se uma delícia a leitura.

Valeu pela visita, viu?!
Vim retribuir e encontrei um espaço super bacana. Tô indo ler os teus outros posts.

Meu beijo.

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.