quarta-feira, 17 de dezembro de 2008

Amor
















Amor, pra mim,
se conserva guardado
quietinho
no silêncio

Se eu te amo?
É um caso
pra se pensar com calma

porque o meu amor, você sabe,
não vem da garganta

vem da alma

7 comentários:

fred disse...

Belo poema, Lilian.
Beijo

Zico disse...

Oi, Lílian! Tudo bem? Estava sumido por esses dias da blogosfera. Voltei e passei pra te visitar...

Iêda disse...

Há quem diga muito facilmente "eu te amo, eu te amo", mas amar mesmo, amar esse amor que vem da alma e que se traduz nos menores gestos...

Linda poesia!

bjs,
Iêda

João da Silva disse...

E que alma é a sua... que alma!
Beijos, minha linda, e obrigado pelo orgíaco festim de palavras e idéias que você me proporcionou, este lauto banquete de iguarias intelectuais finíssimas e salubérrimas.
Beijos, beijos, beijos

yehuda disse...

poema sem defeito
amor perfeito
palavras de profundo efeito
pra quem acredita em alma
eu acredit no amor
que entrou pela janela
dos olhos
que penetrou pelas narinas
levado pelo perfume do sexo

Marcela Tenório disse...

.

De toda forma eu também penso que há um momento em que o corpo todo fala a mesma língua e sim, ela vem do coração.
Aí não tem mais o que pensar.
Não tem mais o que esconder.
Tá sem roupa, nu.
E às vezes só a gente é que insiste em não libertar.

.

Márcia Corrêa disse...

Tem amor que não sai da alma nunca e deixa que o tempo o expresse...

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.