quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

Arisca















Onde a palavra não cabe
fica o cheiro doce do silêncio
que enlaça o segundo de hesitação.
Eu tento articular a frase esperada
mas olho os olhos do espelho
e suspiro.
Nunca estou farta
mas às vezes espero novos sinais
pra saber que é a hora.
E estoco pensamentos doces
na tentativa de não enlouquecer.
Eu calo, paro, espero, fico
mas não durmo nunca
no caminho.
Sozinha.

3 comentários:

Veronica Arteira disse...

Adoro o seu jeito de lidar com as palavras. É sempre um prazer passar por aqui.
bjsssssssssss

Lilian Dalledone disse...

E é sempre um imenso prazer receber sua visita, minha amiga!
Volte sempre!

Por Felicia Bastos disse...

Absoluta!
Beijim...

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.