quinta-feira, 16 de julho de 2009

Estranha, eu?...



Eu não sou estranha. Estranha é a fome dos outros acerca da minha aparência. Sou muito mais que um reflexo distorcido no espelho. Não me vejo essa mulher de traços esquisitos que muitos vêem. Porque eu me enxergo além. Enxergo minhas muitas virtudes, e valorizo especialmente a virtude de ignorar, impassível, os risinhos e olhares assombrados por onde passo.
A alegria de acordar todo dia me faz plena. Pena de quem não vê.

____________________________________________________________________________________________________________________



E se me achar esquisita, respeite também.
Até eu fui obrigada a me respeitar.

(Clarice Lispector)

4 comentários:

Por Felicia Bastos disse...

Essa é a Lilian que eu conheço!

Renata de Aragão Lopes disse...

Desenvolveu bem
a frase de Clarice!
Um beijo,
doce de lira

Kiara Guedes disse...

enxergar é para poucos... quero minha vida sempre perto desses!

Ah... aqui no Rio o céu não tá azulzinho e nem tem "papagaios". Mas meu amor chegou e mesmo com o ceu cinza, as coisa melhorou, rs.

Bj

Andréia M. G. disse...

Bela parceria com Lispector! Adorei!

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.